IGREJA MATRIZ DE AZURARA Visita Virtual 360º


  • Cabeceira Igreja matriz de Azurara
  • Igreja matriz de Azurara
  • Igreja matriz de Azurara

Igreja matriz de Azurara (1500-1552)

Tal como em Vila do Conde, também os azurenses aproveitaram a passagem do Rei D.Manuel I para Santiago de Compostela, em 1502, para lhe falarem da pretensão de construir uma igreja paroquial e lhe pedirem a comparticipação régia. A nova igreja foi levantada junto da anterior Capela de Nossa Sra. da Apresentação, e foi dedicada a Santa Maria a Nova (Nª Srª do Leite). Resultou num templo de grandes dimensões, inserido num terreiro desafogado voltado para o mar.

  • Portal axial
  • Friso e Gárgolas
  • Esferas armilares e concha

Fachada

Fachada principal tripartida, revelando a estrutura interna, com o lado esquerdo marcado por torre sineira de dupla ventana, tendo os vãos rasgados em eixo composto por portal de volta perfeita, de decoração manuelina, e por rosácea. O portal em arco de volta perfeita, assente em fino colunelo, sobre bases de toros e escócias, com arquivolta boleada, envolvido por arquivolta côncava.Ladeado verticalmente por colunas de feixes espiralados, travadas por uma arquitrave profusamente decorada. No topo deste portal, partindo da ambas as colunas , um arco abatido, formado por troncos sobrepostos, e ao centro um nicho onde se encontra a escultura da Nª Srª da Apresentação, da antiga igreja. A torre sineira foi levantada no século XVII, e apresenta uma configuração semelhante à da Matriz de Vila do Conde construida na mesma época. Original é o topo do frontispicio com um pequeno frontão semicircular, parcialmente revestido com placas cerâmicas ladeado por duas esferas armilares.

  • Capela mor

Capela mor (1552)

De planta rectangular, com abóbada de cruzaria nervurada, com os simbolos do Rei D.Manuel I (Esfera armilar e Cruzes de Cristo) nos fechos das abóbadas. Foi concebida e construida por Gonçalo Lopes o Velho em 1552.
Retábulo em talha dourada, de autoria de Francisco Machado, com boas esculturas de S.Pedro e S.Paulo.
Os azulejos de 1737 de António Vital Rifarto, com a representação de um Lava-pés e uma Última Ceia.

  • Nave da matriz de Azurara
  • Pilar octavado

Nave

É constituida por três naves cobertas com travejamento de madeira e telha, divididas em 5 tramos de arcos de volta perfeita, apoiados em pilares oitavados de faces alternadas de duas larguras. Dois anéis em forma de corda envolvem as colunas, a meia altura e junto aos capiteis, decorados com motivos vegetais.


VISITA VIRTUAL



My Image
My Image